O que não devemos colocar na sanita?

Partilho este artigo convosco pois, nos últimos anos, tenho-me questionado sobre o que posso ou não descartar na sanita e qual a razão de não o poder fazer.

Desde os meus 14 anos que coloquei tampões usados pela sanita. Foi assim que aprendi e aceitei a informação sem questionar e sem pensar se era correto ou não. Felizmente há uns anos para cá que já não o faço e que utilizo o copo menstrual.

 

Se considerar que utilizava 4 tampões em média por dia, por 4 dias num mês, durante 15 anos deitei pela sanita cerca de 2880 tampões.

 

Tal como eu, acredito que há muitas pessoas que não estão informadas. Assim, quero partilhar convosco não só o que não devemos colocar na sanita, mas também dar-vos a conhecer a razão de não o fazermos.

 

Para onde vai a água da sanita?

Felizmente hoje em dia, existem estações de tratamento de águas – as ETARs. É aqui que é tratada a água dos nossos esgotos para poderem ser escoadas na natureza, rios ou mar, com maior segurança.

Curiosidade: Até recentemente, as águas dos nossos esgotos, ou águas residuais,  eram libertadas diretamente para os rios ou mar, ou até para os campos onde eram utilizadas como fertilizantes. O problema ao utilizar este sistema é que as reações químicas geradas pela natureza neste processo de degradação natural, levam ao consumo do oxigénio dissolvido na água. O oxigénio é vital para o desenvolvimento da fauna e da flora e a sua diminuição leva à asfixia das espécies. As ETARs não libertam para o ambiente água potável mas sim água menos poluente, que não irá prejudicar a fauna e flora existentes.

 

Quais os objetos sólidos que chegam até às ETARs?

O que colocamos na sanita, pode demorar um dia a chegar à ETAR, podendo percorrer 50km ou mais. Se pensarmos no tempo de degradação do que colocamos na sanita, rapidamente chegamos à conclusão que não se degradam até chegarem à ETAR. Alguns dos objetos colocados nas sanitas não são solúveis em água pelo que terão de ser filtrados. Assim, nas ETARs existem filtros que irão separar grande parte dos objetos existentes, mas muitos destes passam por estes filtros. Os objetos filtrados irão para aterro sanitário. Assim, caso coloquem algo que até poderia ter ser reciclado, não o irá ser.

 

O que acontece aos objetos que passam pelos filtros?

Os objetos que passam pelos filtros, ou são removidos manualmente, ou são “comidos” pelas bactérias existentes no processo de tratamento biológico ou acabam por ser despejados nos rios e mares, juntamente com a água menos poluída.

 

Então, o que não devemos colocar na sanita?

1.Tampões, pensos higiénicos e pensos rápidos

Estes objetos podem bloquear as tubagens de esgotos pelo que será necessária uma intervenção humana para desbloquear e remover o “tampão” de lixo gerado.

Ao chegarem às ETARs, também não serão digeridos pelas bactérias, indo parar a aterros sanitários.

Melhor destino: Lixo indiferenciado.

Alternativas mais ecológicas: copo mestrual, pensos menstruais reutilizáveis e pensos rápidos biodegradáveis.

2. Cotonetes

Por muitos anos achei que os pauzinhos brancos que encontrava na praia eram de chupa-chupas que crianças deixavam na areia. Só há uns aos para cá é que soube que realmente esses pauzinhos eram de cotonetes, despejados nas sanitas. Ainda são muitas as pessoas que o fazem por desconhecimento. Felizmente, nunca tive este hábito.

Os cotonetes não são filtrados nas ETARs. Por serem tão pequenos, podem criar barreiras nos filtros das ETARs e criar bloqueios nas grelhas. Os que passam, uma ínfima percentagem poderá ser manualmente removida mas a maior parte é despejada nos rios e oceanos. Os cotonetes, tal como os tampões, também podem criar bloqueios nas canalizações.

Os cotonetes são um dos objetos mais encontrados nas apanhas de lixo nas praias Portuguesas.

De acordo com a Sociedade para a Conservação Marinha do Reino Unido, os cotonetes perfazem 60% do lixo proveniente das águas residuais encontrados nas praias. (theuniplanet.com)

Melhor destino:  Considerando que a Sociedade Ponto Verde apenas recicla embalagens, este produto muito provavelmente não será reciclado. Poderá ser colocado no ecoponto amarelo, no entanto, o mais provável é que, devido à sua reduzida dimensão, se perca pelo caminho e nunca chegue ao destino. Poderá também descartar no lixo indiferencado mas o ideal é evitar o uso de cotonetes com tubo de plástico.

Infelizmente, existe no mercado inúmeros produtos cujo destino não está bem definido pelo que não deveria sequer estar disponível em grande escala. 

Alternativas mais ecológicas: Limpador de ouvidos de metal ou cotonetes com pau de bambu.

 

3. Beatas de Cigarros

Já me deparei com beatas a flutuar na água da sanita inúmeras vezes e, tudo o que boie, não devemos colocar na sanita.

Os meus próprios pais costumavam colocar beatas na sanita e recordo-me de colocar imenso papel para ver se saiam dali de vez. Felizmente, hoje em dia, já não acontece.

Melhor destino: Colocar no lixo indiferenciado.

Alternativa mais ecológica: Não fumar.

4. Preservativos

Os preservativos não devem ser despejados pela sanita pois podem causar bloqueamento das tubagens e muito provavelmente irão alcançar o mar, rios ou oceanos. Apesar dos preservativos serem fabricados a partir de um produto natural, não significa que sejam biodegradáveis na água, podendo demorar aproximadamente  30 anos a decomporem-se. Na sua fabricação, são adicionados outros químicos que o tornam mais resistente, dificultando a sua deterioração. (noticiasaominuto.com)

Melhor destino: Embrulhar em papel e colocar no lixo indiferenciado.

5. Toalhitas Húmidas, Papel de Cozinha e Lenços de Papel

Estes tipos de papel são mais resistentes que o papel higiénico e não se deterioram com tanta facilidade, podendo bloquear as tubagens. Infelizmente, hoje em dia, vemos inúmeros produtos de higiene a mencionar a possibilidade de descarte na sanita mas, na realidade, não é de todo a melhor opção. Assim, façam a seguinte experiência que encontrei e que me fez bastante sentido:

Coloquem num copo de água fria pedaços do papel que querem testar. Se após 10 minutos notarem que se dissolveram, significa que podem despejar pela sanita. Caso contrário, não deve colocá-los pois no tempo prolongado que precisam para de degradarem, podem bloquear as canalizações. (incrível.club)

Melhor destino: Lixo indiferenciado ou, caso não tenha gordura, e dependendo da especificação da marca, no ecoponto azul (papel).

Alternativas mais ecológicas: Devemos evitar os descartáveis e existem formas muito simples de substituirmos as toalhitas húmidas ou o papel de cozinha. Podemos usar panos velhos para o efeito ou até adquirir esponjas reutilizáveis compostáveis.

6. Óleo Alimentar e Restos de Comida

Quando cozinhamos algo, seja um prato principal ou uma sopa que azedou e precisamos de deitar fora, normalmente colocam na sanita? Acredito que  a maioria das pessoas o faz pois, no lixo, poderá verter mas, o lixo é o local mais correto para os colocar.

Os óleos alimentares assim como a gordura existente na comida, não se dissolvem facilmente na água e são muito difíceis de eliminar pois ficam alojadas nas paredes das canalizações, ” provocando a sua deterioração e originando maus cheiros”.  Assim, ” restos de sopa, óleo e azeite devem ser acondicionados em recipientes vazios, bem fechados e depositados nos pontos de recolha adequados ou deitados no caixote do lixo.” (adp.pt)

Hoje em dia já existem diversos programas e opções para reutilizar os óleos alimentares. Assim, a solução mais indicada é guardar num frasco ou garrafa e colocar nos locais específicos de recolha.

Dica: As Gasolineiras PRIO aceitam a entrega dos óleos para transformarem em combustível. Podem também usar esses óleos para fazerem em casa sabonetes para a loiça ou roupa. Recomendamos o nosso Workshop de Detergentes.

7. Medicamentos

Não nos podemos esquecer que a água é tratada por um processo biológico e, se esta tiver medicamentos, já pensaram no que as bactérias estão a ingerir? Os medicamentos dificultam o processo de tratamento e podem  mesmo comprometer a qualidade da água tratada.

Melhor destino: Os medicamentos que já não utilizam, não devem ser colocados na sanita nem no lixo, devem ser entregues numa farmácia.

 

8. Fio Dentário

A grande maioria dos fios dentários são sintéticos, ou seja, de fio de nylon. Estes, ao longo do tempo, podem criar bloqueios nos esgotos ou prender-se nos filtros das ETARs. Muito provavelmente também não irão ser reciclados pelo que o ideal é evitar o seu uso e optar por soluções compostáveis. Hoje em dia já existem algumas marcas com fios dentários compostáveis. Recomendamos os da Georganics UK.

Melhor destino: Caso tenha fio dentário de nylon, a melhor opção é colocar no lixo indiferenciado (sendo muito provavelmente incinerado). Para os fios compostáveis o ideal é colocar no seu compostor de casa ou entregar a alguém que tenha compostor.

9. Fios de Cabelo

Os fios de cabelo seguem um pouco a mesma lógica que o fio dentário mas normalmente estão presentes em muito maior quantidade. Os cabelos são bastante resistentes e duráveis, podendo criar barreiras nos esgotos, dando-se acumulação de detritos e posterior entupimento. Nas ETARs os fios ficam presos nas grelhas e podem mesmo chegar a criar uma barreira.

Melhor destino: Lixo indiferenciado ou compostor.

10. Lentes de Contacto

As lentes são feitas de um polímero que leva vários anos para se decompor e, por terem uma densidade semelhante à água, não flutuam ou afundam, dificultando a sua captura nas ETARs. Estas também não são “digeridas” pelas bactérias que desfazem os resíduos biológicos, acabando por ser descartadas no meio ambiente.

Especialistas calculam que, anualmente, mais de 20 toneladas de lentes de contato são jogadas na descarga e poluem a água. (incrível.club)  

Melhor destino: Lixo indiferenciado.

 

Resumindo, o nosso descuido e falta de informação, pode levar a sérios problemas de entupimentos e dificultar os processos de tratamento das águas residuais.

A presença no esgoto doméstico de quantidades significativas de resíduos (…) gera entupimentos nas redes de transporte das águas residuais até às ETAR, contribui para a degradação das infraestruturas e dificulta os próprios processos de tratamento de águas residuais, que são essenciais para garantir uma devolução ambientalmente correta dos efluentes.(adp.pt)

Assim, há duas regras simples que podem sempre seguir:

  1. Se é lixo, não coloquem na sanita
  2. Se estão na dúvida, não coloquem na sanita

 

Texto por: Catarina Matos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *